DIARIO

Resolvi criar este espaço para contar um pouco da minha rotina alimentar e as mudanças que estou fazendo.
No inicio de 2012 comecei uma dieta de reeducação alimentar e emagreci 8 quilos no decorrer do ano, lentamente como tem que ser, pois o corpo precisa se adaptar e isso leva tempo!
Inicialmente as alterações na minha rotina alimentar não mudaram em nada o dia a dia de postagens aqui no blog, mas em outubro do ano passado, por sugestão da minha nutricionista e do meu acunputurista, eu retirei o glúten e o leite da minha dieta e ai um mundo novo se abriu!
Depois de retirar o leite e o glúten (presente na farinha de trigo, centeio, cevada, malte e aveia), muitos pequenos sintomas sumiram, como fortes e incapacitantes dores de cabeça, o inicio de uma rinite, dores no joelho (artrose diagnosticada poucos meses antes), bolinhas na pele (principalmente palma das mães e sola dos pés), cansaço e moleza no final da tarde.
É claro que fiquei muito surpresa e comecei a pesquisar sobre o assunto.
Desde então, tenho aprendido muito a respeito de alimentação, nutrição e saúde e é sobre isso e as mudanças que venho fazendo na minha dieta e consequentemente no meu corpo físico, que quero contar para vocês neste espaço.
Em termos de peso, permaneci nos 8 quilos a menos, mas ganhei muita massa magra, o que também é bastante positivo.
Já dá para ver a diferença:

Mas ainda falta, não é mesmo?
É claro que com toda esta mudança alimentar que aos poucos irei esclarecendo aqui, minhas postagens mudaram, minha rotina profissional também mudou, não poderia ser diferente.
Por hora, deixo a minha recomendação: façam o teste que eu fiz e retirem o glúten da sua dieta por 1 mês e se não houver alteração na sua saúde, volte a consumi-lo!
Façam o mesmo com o leite e derivados, mas separadamente (diferente do que eu fiz)
Depois me contem o resultado!
Há algumas semanas dei uma entrevista para a Record falando sobre a eliminação do trigo da dieta
Deixo aqui o link para vocês assistirem:

Hoje minha alimentação é a base de carnes, ovos, frutos do mar, verduras e legumes.
Como também algumas frutas como morangos e melão alem castanhas, principalmente macadâmia.
Chocolates de boa qualidade com mais de 70% de cacau também são super bem vindos!
Veja só uma das minhas refeições nesta semana:

Bife de fígado acebolado no ghee, alface, espinafre, brócolis e tomate seco
Voltei a perder peso depois de adotar a dieta paleo LCHF.
Já se foram mais 1quilo e seiscentas gramas e nunca me senti tão bem, tão disposta!
A dieta Paleo parte do princípio que o que nosso corpo físico esta melhor adaptado e funciona melhor é o que os seres humanos da época do Paleolítico consumiam.
Só posso dizer que  a Paleo LCHF (uma das vertentes da paleolítica) funcionou muito bem comigo por 4 meses!
Foram 11 quilos perdidos no total
No mês de fevereiro de 2014 decidi voltar a consumir um pouco mais de carboidratos. Carbs bons como mandioca, inhame, cará e batata doce.
Depois de 1 mês afirmo que meu corpo reagiu bem!
Perdi mais 1 quilo.
Minhas calças estão novamente muito largas. Do mesmo jeito que estavam quando perdi os primeiros 8 quilos….
Quero aproveitar para falar um pouco sobre minhas experiências com o amido resistente e os intestinos.
Antes de mais nada, quero deixar claro que o que relatarei aqui é apenas a minha maneira de lidar com estes conceitos.
Não significa que funciona do mesmo jeito para todo mundo e nem que eu continuarei utilizando os mesmos parâmetros que descreverei a seguir, pois este assunto é dinâmico e uma nova pesquisa, uma nova informação, pode alterar a minha visão sobre o assunto.
Quero também lembrar que não tenho diabetes, o que certamente alteraria meus critérios e procedimentos.
Sempre achei que meus intestinos funcionavam normalmente.
Quando um médico me perguntava, durante uma consulta, como estavam meus intestinos, sempre dizia que estavam bem.
Ate a pouco tempo atrás, meus parâmetros para um bom funcionamento deste órgão é ir ao banheiro todos os dias.
São tantas propagandas sobre laxantes e afins que parece que o mundo todo tem intestino preso…
E quando tirei o glúten da minha dieta, percebi uma alteração. Tudo ficou mais líquido.
E continuaram assim ate agora, quando comecei a ler sobre amido resistente e flora intestinal
Vejam os posts detalhados do Dr. Souto sobre o assunto aquiaquiaqui e aqui
Percebi que provavelmente não estava criando os bichinhos mais saudáveis para mim e precisava mudar isso!
Saiba mais aqui
Quero lembrar que não tenho parasitas, o que alteraria (de novo) os procedimentos e parâmetros que começo a relatar aqui
Dai entram os prebioticos e os probioticos
Prebioticos são os alimentos para as boas bactérias
Probioticos são alimentos que levam boas bactérias para o seu intestino
Obviamente preciso ter boas bactérias e ai alimenta-las bem!
Prebioticos indicados: alimentos crus com boa quantidade de amido resistente como a fécula de batata/banana verde/polvilho doce
Probióticos: kefir e alimentos fermentados (veja como fazer sauerkraut)
O que se fala hoje é introduzir prebioticos e probioticos na sua alimentação diária
Quantidade?
Tipo?
Ainda não há pesquisa suficiente…
Em termos de prebioticos, sugere-se 4 colheres de sopa de fécula ou polvilho, ou 2 bananas ao dia.
Mas alem disso, existem alguns alimentos, que se cozidos e depois resfriados, mantem uma pequena quantidade de amido resistente. Os mais indicados são: mandioca, cará, inhame, mandioquinha, arroz parbolizado e banana da terra.
Estes últimos não substituem os primeiros que tem uma quantidade muito maior de AR
Dai as pessoas perguntam: Por quanto tempo devo tomar as féculas ou comer a banana verde? ou…
Posso substituir por mandioca cozida?
Pessoalmente não consigo ingerir 4 colheres de sopa de fécula ou polvilho em 1 dia, não me sinto bem. (gases/taquicardia/dor de cabeça) fico com a sensação que é muito para mim. Um dia ou outro, tudo bem, mas todos os dias como alguns recomendam esta fora de questão!
Mas os benefícios do AR são imediatos, não há como negar!
Pesquisando, descobri esta tabela aqui:
Saiba mais sobre fezes e saude aqui e aqui
Achei muito interessante! Veja, o tipo 4 é o ideal e representa um intestino saudável.
Eu estava entre o 7e o 6, mas com a ingestão de AR, passei para o 5, opa que progresso!
Ingerindo o AR por alguns dias e diminuindo a quantidade de folhas no prato, cheguei ao desejado 4 he he
Ficou evidente para mim, que precisava alimentar as boas bactérias como muitos alertaram, e que a alimentação (mas não só) influencia muito neste tema!
Bom, gente, meu objetivo é me manter no tipo 4
Com isto em mente, aumento ou diminuo a quantidade de AR e observo os outros alimentos também.
Chocolate e arroz me tira do tipo ideal
Folhas demais me leva ao tipo 6
Sementes me leva direto ao tipo 7
Industrializados me leva ao 6
Com isso em mente, inclui os tubérculos e banana da terra cozidos e resfriados na minha alimentação diária e aumento, diminuo ou retiro, a suplementação de AR,
Alem disso, como alimentos fermentados todos os dias.
No momento, este formato é suficiente para mim!
Espero ajudar vocês a tirar algumas dúvidas e incorporar pré e probioticos na alimentação diária com tranquilidade.
Mais alguns meses se passaram e já estamos quase em outubro de 2014!
Realmente prefiro fazer a paleo e manter o consumo de carboidratos entre 50 e 100 gramas por dia.
Quando aumentei os carbs, no inicio do ano, perdi um pouco mais de peso, mas relaxei um pouco na contagem diária dos macros e quando percebi estava exagerando um pouco no consumo de tubérculos e ganhei 1 quilo rs.
É um equilibrio delicado e difícil de alcançar… mas fiz algumas descobertas interessantes:
Mandioca e batata doce aumentam a minha vontade de comer e acabo exagerando, fico melhor comendo inhame, cará, mandioquinha e banana da terra, todos cozidos e resfriados.
Quanto ao consumo de pré e probióticos, tenho mantido a ingestão diária de ate 2 colheres de sopa de água de kefir bastante fermentada (com no máximo 1 colher de sobremesa dos grãos) e 1 a 2 colheres de chá de fécula de batata.
Comecei a sentir vontade de reintroduzir os derivados de leite na minha dieta e aproveitei um período que precisei fazer uns testes com receitas que incluiam derivados de leite para fazer esta experiência. Ingeri creme de leite, manteiga, queijos amarelos e fiz várias experiências com iogurtes feitos a partir de diferentes tipos de leite, ate leite cru.
O resultado disso é que agora sei exatamente o que leite e derivados causa no meu corpo físico:
  1. engordei quase 2 quilos
  2. inchaço abdominal
  3. coceiras no peito, costas e pescoço
  4. tensão muscular na região do pescoço e ombros
  5. dor de cabeça
  6. nariz entupido
  7. produção de muco
Mas teve uma coisa boa: meu intestino gostou rs Acho que preciso ingerir mais lactobacilos, mas certamente não atraves de derivados de leite!
Tenho mantido a manteiga e ainda estou avaliando se permaneço com ela ou não, pois aparentemente ela não causa nenhum destes efeitos negativos.
Também comecei a experimentar alongar o período de jejum e fiz 3 experiências com o jejum de 24 horas e achei super positivo porque com o jejum eu realmente passei a ter mais controle sobre freqüência e quantidade de alimentação.
Já ha algum tempo não tomo café da manhã porque não sinto fome, mas ao meio dia ficava desesperada para comer e fazia uma bela refeição. Acontece que a fome (ou vontade de comer) não parava por ai e eu vivia o período de algumas horas, ate as cinco ou seis horas da tarde, sentindo vontade de comer e beliscando aqui e ali…
Com o jejum eu percebi que se fizesse uma refeição boa, variada e balanceada por volta das três da tarde, a vontade de comer diminui drasticamente. Estão tenho feito isso: fico com o café com mateiga e oleo de coco ate as 15:00hs, faço uma boa refeição e ai fico sossegada e bem alimentada pelo resto do dia, no máximo algumas colheres de sopa de legumes ou um caldo se sentir fome, em pouca quantidade mesmo.
Com isso, os quase 2 quilos que ganhei com a reintrodução temporária dos laticínios se foram.
O exercício do jejum é realmente muito benéfico, mas não pode ser rotina, tem que ser ocasional, ou intermitente, por isso não sei ainda quando farei de novo.
Em relação a fazer uma única refeição por dia, pretendo continuar, mas não levo super a sério, ou seja, não sou rígida em relação a isso.
Estamos em 2016 e nesta jornada de auto conhecimento e busca de saude atraves da alimentação, descobri também uma intolerância a histamina (saiba o que é na aba ‘intolerâncias e alergias) e retirei mais alguns alimentos da minha dieta.
O peso não mudou, mas a saúde melhorou ainda mais.
Compartilhe!

Theme by Anders Norén