Alergias e Intolerâncias

Hoje publico mais uma tradução de uma postagem, desta vez sobre alergias e intolerâncias alimentares.
Este é um problema frequente e muitas vezes de difícil solução, por isso decidi fazer esta tradução.
Espero que ajude muitos de vocês.
“A dieta Paleo faz com que muitas pessoas se tornem mais conscientes sobre como os alimentos que ingerimos afetam nosso corpo e problemas digestivos ocasionais são muito mais perceptíveis. Mas nem todas as dores de estômago são iguais: uma alergia alimentar, uma intolerância alimentar e uma reação negativa a toxinas de alimentos são três problemas diferentes e é importante entender a diferença entre eles, saiba como:
Alergias X Intolerâncias 
Se você disser a alguém que você é “intolerante à lactose,” uma das primeiras perguntas é provável que seja “, então … você é alérgico ao leite?” Mas enquanto um é alergia e o outro intolerância, ambos fazem você se sentir doente,mas de fato são duas questões biológicas completamente diferentes.
Uma alergia é um problema causado quando anticorpos IgE em seu sistema imunológico, por engano, reagem a uma substância inofensiva (como o pólen ou pêlos de gato). Tentando defender seu corpo, esses anticorpos IgE desencadeiam a liberação de histamina, que provoca uma resposta inflamatória. Quando esta gripado, você espirra como uma tentativa de se livrar dos germes. Quando esta na frente de um gato, seu corpo pode também reagir provocando um espirro na tentativa de se livrar dos pelos… Às vezes, essa resposta não é nada mais que um inconveniente: febre do feno não é divertido, mas também não é um problema sério. Por outro lado, algumas alergias podem causar uma condição de risco de vida chamada de choque anafilático.
Enquanto as alergias são todas biologicamente semelhantes, as intolerâncias tem uma variedade muito maior de causas. Em geral, as alergias estão relacionadas ao sistema imunológico, enquanto intolerâncias são problemas com o sistema digestivo, mas o termo “intolerância” é realmente muito abrangente. Se um alimento deixa você doente, mas você não tem a resposta alérgica IgE específica, é provavelmente uma intolerância. A falta de certas enzimas podem causar uma intolerância alimentar, como é o caso de intolerância à lactose (causada por uma deficiência da enzima lactase). Má absorção no intestino, problemas imunológicos que não têm a ver com anticorpos IgE, ou distúrbios metabólicos como o diabetes também estar relacionados a intolerâncias alimentares.
Outras condições médicas, como a Síndrome do Intestino Irritável (IBS) ou Super crescimento bacteriano no intestino delgado (SIBO) podem provocar uma reação a uma grande variedade de alimentos. Um problema comum que muitas pessoas com IBS sofrem é a intolerância a um determinado grupo de alimentos denominado FODMAPs (Fermentável oligossacáridos, dissacáridos, monossacáridos e polióis) que são pequenos hidratos de carbono que não são completamente absorvidos no intestino delgado e são facilmente e rapidamente fermentadas pela flora intestinal. Isso pode causar inchaço, gases e dor abdominal – se você tiver SIBO,  o excesso de flora intestinal só vai piorar os sintomas.
Mesmo os alimentos que são perfeitamente aceitáveis na Paleo podem ser problemáticos se você tem intolerância a FODMAPs: alimentos ricos em FODMAPs incluem certos tipos de fruta (maçãs, manga, pêra, melancia), leite e alguns vegetais (como aspargos, brócolis e cebolas). Infelizmente, coco também pode causar problemas para as pessoas que são sensíveis a FODMAPs, como a maioria dos tipos de nozes. FODMAPs não farão com que uma pessoa saudável  desenvolva IBS ou SIBO, mas para as pessoas que já estão doentes, eles são uma fonte comum de problemas, e até mesmo algumas pessoas saudáveis ​​acham que a sua digestão melhora quando param de comer alimentos ricos em FODMAPs . Se você sofre de doença de Crohn ou IBS, eliminando FODMAPs  não vai curar o problema, mas pode ajudar a controlar os sintomas.
Uma intolerância alimentar também pode gerar outra intolerância. A situação mais comum é o caso do glúten que pode causar outros problemas quando o glúten danifica o revestimento do seu trato intestinal, permitindo que moléculas de comida  passem  diretamente em sua corrente sanguínea. Os sintomas resultantes do “intestino permeável” é permitir que todos os tipos de alimentos passem através da parede intestinal. Como os organismos estranhos de qualquer tipo na corrente sanguínea desencadeiam uma reação auto-imune, o sistema imunológico cria anticorpos contra todos esses alimentos. Assim, você parece ter problemas com uma grande variedade de alimentos, mas na verdade, a única questão real é o glúten.
Uma vez que eles têm muitas causas e  muitos sintomas diferentes, intolerâncias alimentares, muitas vezes, não são reconhecidas corretamente ou são erroneamente diagnosticadas como alergias. Para aumentar a confusão, os sintomas de intolerâncias alimentares são muitas vezes crônicos, ao invés de agudos. Se você comer um amendoim e imediatamente começar a ter dificuldade para respirar , não é difícil perceber que tem alergia a este alimento. Mas se você está sofrendo de  problemas digestivos persistentes que não se tornam visivelmente melhores ou piores depois de comer qualquer alimento específico,  pode não ser fácil de conectar esses sintomas a má absorção de de determinado grupo de alimentos. Às vezes, uma pequena quantidade de um alimento que você é intolerante não pode causar uma reação notável, levando-o a acreditar erroneamente que o alimento é seguro. Isso faz com intolerâncias alimentares sejam difíceis de conviver, e ainda mais frustrante para diagnosticar.
Toxinas Alimentares
Alguns alimentos podem causar intolerância para alguns, alergia para outros e serem totalmente seguros para a maioria. Toxinas de alimentos, por outro lado, são substâncias que são prejudiciais para todos. Basicamente, as toxinas são substâncias que todos os seres humanos são intolerantes a ela. Muitas toxinas estão nos alimentos – como glúten, lectinas, saponinas, e ácido fítico – que são encontrados em leguminosas, grãos e pseudograos. Outras toxinas acabam em alimentos normalmente inofensivos como: pesticidas, herbicidas, hormônios e outros produtos químicos que podem vazar para o fornecimento de alimentos e água muito facilmente.
É possível ser alérgico ou intolerante fortemente a uma ou mais destas toxinas de alimentos, mas ainda toxinas são prejudiciais até mesmo para pessoas que não percebe uma reação alérgica imediata. Por exemplo, alguém com uma alergia ao amendoim tem uma reação anafilática severa que irá impedi-lo de comer, mas mesmo para alguém sem uma reação alérgica, os amendoins são ainda um alimento problemático porque eles contêm toxinas como o ácido fítico. Estas toxinas podem causar uma ampla gama de problemas, desde a acne ao intestino permeável ou aos desequilíbrios hormonais; muitos destes problemas são cumulativos, o que significa que eles aumentam ao longo dos anos, sem uma causa clara. É por isso que tantas pessoas estão surpresas com o quão melhores elas se sentem na Paleo: eles não perceberam que  estavam doentes até que  cortaram as toxinas da sua dieta.
Toxinas comuns que todos deveriam excluir da dieta e do dia a dia, sempre que possível:
Glúten
As lectinas
Saponinas
O ácido fítico
Pesticidas
Herbicidas
Metais pesados
Estrogênios ambientais (como BPA);
Mas se você ainda está tendo sintomas digestivos mesmo depois de ter tirado as fontes de toxinas, uma alergia ou intolerância é um provável suspeito. A lista abaixo mostra os alimentos mais comuns que as pessoas tem reações alérgicas ou intolerâncias e serve como um ponto de partida para sua pesquisa. Infelizmente, os testes para determinar o que os alimentos provocam em você  não são muito bons, e às vezes podem causar mais confusão do que solução.
Alergias comuns incluem
Leite
Ovos
Amendoins e castanhas
Peixes e mariscos
Soja
Trigo
Intolerâncias comuns incluem
O glúten (doença celíaca ou intolerância ao glúten não celíaco);
Laticínios (intolerância à lactose ou intolerância caseína);
Frutose (má absorção de frutose ou intolerância à frutose);
Os aditivos alimentares (conservantes, corantes de alimentos, etc.);
Álcool (intolerância ao álcool);
A histamina (intolerância à histamina);
Salicilatos (sensibilidade) salicilato;
FODMAPs (FODMAPs Intolerância);
Os sulfitos (sensibilidade de sulfito);
Se você não tem os recursos para  uma bateria completa de testes, você  pode tentar um auto-diagnóstico com uma dieta de eliminação: começando com os alimentos mais comuns na lista acima, eliminando-os de sua dieta até que você não tenha mais nenhuma sintoma e depois reintroduzi-los um de cada vez. Quando os sintomas reaparecem, você encontrou a origem do problema! Você pode ter que repetir esta experiência com vários grupos de alimentos, se você tiver mais de uma alergia ou intolerância.
Viver com alergias alimentares
Conviver com restrições significa que você deverá estar sempre atento a embalagens de alimentos e em alguns casos, a produtos de limpeza e cosméticos.
Alguns alimentos não são rotulados corretamente e podem não identificar todos os ingredientes, o que pode tornar o dia a dia um pouco mais complicado.
Não desanime, investigue, utilize os serviços de atendimento ao consumidor e continue firme rumo a saúde e o bem estar!”
Traduzido de www.paleoleap.com

espirro2

Rinite Alérgica e Alimentação

“Sabe aquele tipo de alergia que deixa você com coceira no nariz ou espirrando toda hora, a cada entrada de primavera ou outono? Você pode conhecer esta desgraça sazonal como febre do feno, mas o termo técnico é “rinite alérgica”, e sim, você tem opções além de encher-se de anti-histamínicos por seis meses do ano!
Não há nenhuma “cura” para alergias, porque não há uma causa. Mas vamos dar uma olhada em alguns fatores dietéticos que podem afetar sua crise sazonal, para melhor ou para pior.
Alergias: veja a tradução do post anterior que descreve detalhadamente a diferença entre alergias e intolerâncias
As reações alérgicas são reações inflamatórias.
Uma resposta alérgica provoca a liberação de histamina, mas não é a mesma coisa que uma intolerância a histamina.
Doenças como asma e eczema estão intimamente relacionadas a alergias, mas este artigo concentra-se estritamente na rinite alérgica.
Alergias sazonais: a conexão com o intestino
No caso das alergias alimentares, aliviar os sintomas com dieta de restrição é simples, basta não comer a comida que você é alérgico a. Mas no caso de outras alergias, a conexão entre o alimento que você come e os sintomas que você sente é muito menos clara e direta.
Isso não significa que a conexão não exista. Uma das maneiras que o alimento pode modificar as reações alérgicas é pela modificação da resposta imunológica no intestino.
Seu intestino é uma parte crucial do seu sistema imunológico, porque é a primeira linha de defesa imune contra qualquer coisa que possa vir através do alimento.
Duas importantes peças de evidência apoiam a ideia de que a mudança de sua saúde intestinal pode realmente afetar reações alérgicas na vida real.
Em primeiro lugar, há a evidência de que os probióticos ajudam a aliviar os sintomas de alergia, alterando a resposta imune no intestino.Veja aqui um dos estudos científicos relacionados a este tema
O segundo pedaço de evidência para a conexão intestino-sistema autoimune-alergia são as taxas muito mais baixas de alergias em crianças criadas em fazendas. Este link esta embasado em uma hipótese que diz assim: nosso sistema imunológico precisa de uma quantidade razoável de calibração à medida que crescemos. Se nós não estamos expostos a um nível razoável de sujeira  quando somos jovens, eles ficam fora de sintonia e entram em modo de pânico à primeira vista de algo completamente inofensivo como o pólen ou casca de árvore.
As crianças que são criadas em fazendas ou em torno de animais tendem a ter contato com a natureza mais cedo na vida, o que lhes daria uma melhor resistência a alergias de acordo com esta teoria – e não há evidências de que, na verdade, elas tenham diferentes padrões de flora intestinal. Este estudo, por exemplo, descobriu que ambas as crianças criadas em um “estilo de vida antroposófico” (antibióticos limitados, alimentos orgânicos, alto consumo de alimentos fermentados) e crianças criadas em fazendas tinha flora intestinal que diferiam significativamente de crianças típicas. Isso pode apontar para uma conexão entre a introdução no intestino de diferentes cepas de bactérias e menos alergias.
Alergias sazonais e Inflamação
Outra conexão entre dieta e alergias vem na forma de inflamação. Alergias envolvem um pouco de inflamação. Todos esses olhos inchados, gargantas inchadas, e erupções na pele….. Ingerir uma dieta anti-inflamatória pode ajudar a tornar os sintomas mais amenos.
Há alguma evidência de que alimentos anti-inflamatórios podem ajudar com alergias: por exemplo, o estudo descobriu que níveis mais elevados de ômega-3 EPA gordura nas membranas celulares foram associados com sensibilização alérgica inferior em adultos. Que aponta para a possibilidade de que uma dieta geral anti-inflamatório pode reduzir os sintomas de alergias ou fazer mais difícil de acionar.
Alergias sazonais e dieta: O que comer
Escolha de produtos lácteos-Laticínios formam uma área cinzenta na Paleo, mas se você está lutando com alergias, pode ser útil evita-los.
Há duas ligações possíveis entre dieta e alergias: primeiro através do intestino, e segundo através de inflamação.
A boa notícia: há realmente alguma evidência de que uma dieta Paleo ajuda.
Este estudo é antigo, mas muito interessante. Os pesquisadores colocaram 122 bebês (menores de 1 ano de idade) em “uma dieta hipoalergênica de seis semanas consistindo em”uma fórmula a base de carne, cenoura, brócolis e damascos. “Isso é essencialmente uma versão muito restrita de Paleo. Os resultados: 91% das crianças mostraram melhora significativa os sintomas de alergia respiratória. Quando os pesquisadores tentaram reintroduzir os alimentos que mais comumente causam problemas, as piores respostas foram leite, ovos, chocolate, soja, legumes e grãos.
O estudo, obviamente, tem algumas limitações – para começar, o fato de que ele foi feito em bebês – mas um grande ponto de discordância é o quão incrivelmente restritiva a dieta era. Não é algo que a maioria de nós gostaria de comer a longo prazo.
Pode não ser necessário ser tão rigoroso, no entanto, se você olhar para os alimentos que causaram respostas quando eles foram re-introduzidas, a maioria deles eram ou alérgenos comuns (leite, ovos, soja) ou irritantes inflamatórias do intestino (soja, legumes, grãos). Chocolate provavelmente cairia sob ambas as categorias, uma vez que geralmente contém leite, e normalmente também contém um monte de açúcares refinados inflamatórios e conservantes.
Ninguém  realmente estudou uma dieta Paleo em adultos para a rinite alérgica, mas dado os tipos de alimentos que causaram reações nessas crianças, é razoável supor que, uma dieta geral anti-inflamatório Paleo que exclua  os principais alérgenos, seria provavelmente  suficiente.
Mas o que dizer sobre síndrome de alergia oral?
Uma dieta Paleo básica,  pode  ser útil para eliminar sintomas relacionados a um problema chamado síndrome de alergia oral (OAS). OAS não é uma alergia a alimentos específicos; é uma reação às proteínas do alimento que se parecem com componentes de pólen ou qualquer outra coisa que você seja realmente alérgico. Ela normalmente provoca uma reação alérgica (erupção cutânea, inchaço, etc.) em torno de sua boca e rosto.
Alimentos específicos que podem desencadear OAS dependem da fonte original da alergia (por exemplo, pessoas alérgicas a ambrósia tendem a reagir a diferentes alimentos do que as pessoas alérgicas ao pólen de bétula). A reação pode, muitas vezes (mas nem sempre) ser minimizada ao cozinhar os alimentos antes de manusear ou comer.
De acordo com o Colégio Americano de Alergia, Asma e Imunologia, os alimentos comuns para diferentes alérgenos incluem:
Pólen
Maças
Amêndoas
Cenouras
Aipo
Cerejas
Avelãs
Kiwis
Pêssegos
Peras
Ameixas
Laranjas
Pêssegos
Tomates
Bananas
Pepinos
Melões
Sementes de girassol
Abobrinha
Se OAS é uma preocupação para você, evitar  alimentos específicos que desencadeiam o processo pode ser útil alem de comer uma dieta basicamente anti-inflamatório Paleo. Mas, mesmo  tirando o seu alimentos desencadeante, você ainda teria uma dieta muito mais variado do que a dieta anti-alérgicos original que as crianças ingeriram no estudo acima!
Mas o que dizer das Histaminas?
A histamina é uma substância química responsável pelos sintomas de um ataque de alergia – o nariz entupido, os olhos irritados, e todo o resto. Se você tomar um anti-histamínico para os sintomas de alergia, você poderia pensar que uma dieta baixa-histamínico poderia ajudar com a alergia, mas isso não significa necessariamente  que funciona assim. Uma alergia não é a mesma coisa que uma intolerância a histamina.
Em uma reação alérgica, o seu corpo produz uma grande quantidade de histamina em resposta a um alérgeno. Anti-histamínicos tratam os sintomas ,; eles não tratam a causa real.
Em uma intolerância a histamina, seu corpo não pode quebrar e eliminar a histamina que você ingeriu a partir de alimentos. É um problema de excreção inadequada, não super produção.
Intolerância a histamina lhe dá sintomas semelhantes, mas não é a mesma coisa que uma alergia. Reduzir o nível de histamina em sua dieta não vai resolver a causa real de reações alérgicas, e não há estudos que mostrem que uma dieta baixa-histamínico ajuda as pessoas com alergias.
Resumindo:
Não há nenhuma “cura” para alergias sazonais. Mas uma dieta que funciona muito bem para o seu intestino pode ajudar a regular o sistema imunológico em geral, e comer para reduzir a inflamação também pode ser de grande ajuda. Pode ser por isso que tantas pessoas relatam que os sintomas da alergia ficam menores com a Paleo: com uma dieta sem irritantes inflamatórias para o intestino, o seu sistema imunitário está apenas funcionando melhor, e suas alergias melhoram como consequência. Não é um substituto para ver um médico, mas qualquer coisa que pode fazer a temporada primavera/outono mais suportável é certamente um grande benefício!”
Traduzido do blog www.paleoleap.com

Foods-to-eat-to-help-hayfever

Histamina

Histamina é um elemento orgânico nitrogenado envolvido nos processos inflamatórios e autoimunes.
A histamina aumenta a permeabilidade dos vasos capilares.
A histamina é derivada de um amino ácido presente em vários alimentos, mas principalmente nos alimentos curados e fermentados.
O assunto é muito novo, mas algumas pessoas podem sofrer com super produção de histamina e outras com a dificuldade em sintetizar este elemento.
Por causa disso, estas pessoas podem sofrer uma série de sintomas tais como:
Pressão Baixa
Tontura
Náusea
Diarréia
Dor de Cabeça
Arritmia
Refluxo
Entupimento do nariz
Rinite
Asma
Urticaria
Problemas Menstruais
Dores Diversas
Cansaço
Problemas relacionados ao sono
Ansiedade
Ataque de pânico
Algumas pessoas podem sofrer com alguns destes sintomas e outras com outros tantos, mas se você tem pelo menos um deles, é bom considerar a hipótese de uma dieta de exclusão de alimentos fonte deste elemento orgânico.
Quais os alimentos que deveriam ser excluídos?
Todo e qualquer alimento curado e fermentado
Frutas cítricas
Mamão papaia
Morango
Abacaxi
Frutas secas de qualquer tipo
Tomate
Espinafre
Castanhas
Sementes
Chocolate
Mariscos e outros animais marinhos que vivem em conchas
Clara de ovos crua
Aditivos químicos
Alcóol
A dieta é o tratamento indicado para quem tem intolerância a histamina.
Para saber mais clique aqui aqui aqui
Decidi escrever sobre este assunto por estar desconfiada que sofro desta intolerância.
Nesta semana começo o whole30 anti histamina e depois conto para vocês o que deu

Compartilhe!

Theme by Anders Norén